A confiança que temos em nós reflete-se em grande parte na confiança que temos nos outros.

Que confiança


Aquela que nos transmite um sentimento básico de segurança onde quer que estejamos (nos espaços públicos).

A que resulta de recebermos uma mensagem explícita, de quem está à nossa volta, de que em circunstância alguma, nos colocará em perigo ou nos agredirá, física, verbal, ou psicologicamente.

É esta a Confiança subjacente ao compromisso TEO.

Confiança que não significa amizade, partilha de ideias, cumplicidade, muito menos qualquer forma de intimidade, mas apenas CONFIANÇA no sentido em que não corremos perigo na presença do/s outro/s.

Podemos ser amigos de te toda a gente? Não. Todavia podemos transmitir a quem nos rodeia, ou connosco se cruza, que junto a nós está em segurança.

Podemos assim assegurar aos que nos rodeiam que não representamos qualquer tipo de ameaça.

Este é o compromisso assumido por quem aderir ao TEO MOV: informar, de forma visível e explícita, todos os que se encontram à sua volta no espaço público, que estão em segurança.

Fazer saber, de forma explícita, que deseja contribuir para um espaço público liberto do constrangimento criado pelo receio, ou desconfiança, dos outros.

Quem adere ao TEO, que outros compromissos assume? Mais nenhum.

Não assume qualquer compromisso de ajudar. Nem vai, à partida, pedir ajuda para um problema pessoal.

Também não é propósito deste Movimento promover relacionamentos pessoais.

O objectivo é contribuir para um espaço público livre de constrangimentos e receios, promovendo um ambiente social progressivamente mais seguro, na medida em que um crescente nº de pessoas explicite a sua adesão a este movimento, pela qual se comprometem a não constituir perigo ou ameaça para os outros.

Como nos sentiremos na rua, numa estrada, ou num centro comercial, se a grande maioria das pessoas à nossa volta, nos informar visualmente, de que junto a elas não corremos qualquer risco, de sermos agredidos, molestados, ofendidos, roubados, enfim, de que não seremos sob qualquer forma, ou pretexto, prejudicados, maltratados ou enganados?

Certamente melhor.

E não seremos, cada um de nós, pessoas que se regem por padrões de comportamento onde não cabe o desejo ou a vontade de prejudicar ou agredir quem está à nossa volta?

No entanto, não posso nem devo aproveitar a minha identificação de aderente TEO, para fazer qualquer proposta concreta , que vá além de uma conversa de circunstância.

E tal conversa, não visará, à partida, promover uma qualquer actividade comercial, ou ideia política, religiosa, ou outra, ainda que a título individual, e muito menos, usando a sua condição de aderente TEO, pedir a alguém para lhe dar uma ajuda numa qualquer dificuldade no domicílio.

Ao identificar-me como aderente TEO, não vou aproveitar essa situação para “impingir” aos outros as minhas ideias, os meus valores, marcas ou produtos comerciais.

Isso está reservado para outros fóruns; e, NÃO É, o propósito deste movimento.

Ao aderir pretendo apenas dar resposta a uma necessidade humana de base, o sentimento de segurança, gerado pela sensação de confiança.

Tudo o resto, pode acontecer no espaço público, mas já não faz parte dos objectivos deste Movimento, e como tal deverá ser encarado.